EUA lança maior teste clínico de medicina de precisão

O Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos (NCI, na sigla em inglês) lançou, em junho, um amplo teste clínico para tratar a doença em função das mutações específicas do tumor e não segundo o tipo de câncer, uma iniciativa sem precedentes na chamada medicina de precisão.

Esta abordagem consiste em identificar as anomalias moleculares dos cânceres para determinar os tratamentos mais eficazes para cada paciente.

Desta forma, uma pessoa com câncer de pulmão pode ser tratada com um medicamento usado para tratar outra forma de câncer, como o de mama, com o qual seu tumor compartilhe uma mutação similar contra a qual este tratamento é eficaz.

O projeto integra a iniciativa do presidente Barack Obama, anunciada em janeiro, em seu discurso sobre o estado da União, de aproveitar os avanços nos últimos dez anos e o potencial da medicina de precisão.Saúde e Cuidados Pessoais: alta de 0,91% com impacto de 0,10 ponto percentual

Esta abordagem permitirá conceber e realizar testes clínicos que levarão muito menos tempo e serão mais específicos para tratar os mais de 200 tumores diferentes existentes.

“Trata-se do teste clínico mais amplo e rigoroso da história em oncologia de precisão”, afirmou o doutor James Doroshow, diretor-adjunto do NCI, durante coletiva de imprensa celebrada à margem da conferência anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO), celebrada em Chicago desde a sexta-feira.

Este teste clínico, denominado NCI-MATCH, se baseia nos esforços para compreender como as anomalias genéticas do tumor respondem às terapias de precisão e não mais o próprio câncer em função do órgão afetado, explicou.

Segundo Doug Lowy, diretor interino do NCI, “este teste clínico tem o potencial de transformar os tratamentos do câncer”.

Cerca de três mil pacientes serão selecionados a partir de julho para o teste em 2.400 localidades dos Estados Unidos para identificar 1.000 que respondam aos critérios procurados.

Serão testados uns 20 tratamentos específicos, que serão fornecidos gratuitamente por laboratórios farmacêuticos que participarem do estudo.

Os pesquisadores usarão um simples teste de DNA, que permitirá identificar 143 mutações genéticas nos tumores de pacientes com câncer e que podem ser tratados de forma específica com medicamentos já comercializados ou experimentais.

O teste determinará se os tratamentos são promissores em função da taxa de resposta dos doentes e do período durante o qual o tumor parar de avançar.

 

EUA lança maior teste clínico de medicina de precisão

http://www.cancer.gov/news-events/cancer-currents-blog/2015/precision-medicine-initiative-2016

Aprovado novo medicamento para o Câncer de Pâncreas

Medicação desenvolvida com a participação do Hospital de Clínicas de Porto Alegre foi aprovada pelo FDA

Um novo medicamento está disponível para pacientes vítimas de um dos mais letais tipos de câncer. O FDA, órgão que controla os medicamentos nos Estados Unidos, aprovou a utilização do MM-398 em câncer de pâncreas. O Onivyde (nome comercial do remédio) teve como base um estudo clínico internacional que incluiu também pacientes do Serviço de Oncologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) e será publicado pela revista The Lancet, uma das mais respeitadas no mundo da ciência.

O chefe do Serviço de Oncologia do HCPA e um dos autores da pesquisa, professor Gilberto Schwartsmann, explica que a combinação do novo medicamento com a droga usualmente utilizada duplicou o número de pacientes vivos com o tratamento. “Em um período de 12 semanas, por exemplo, 57% dos pacientes que foram tratados com a nova combinação estavam vivos e apresentavam bons resultados, contra apenas 26% dos que receberam somente o medicamento usado até então”, ressalta. Estes resultados foram ainda melhores no grupo de pacientes que recebeu ao menos 80% da dose planejada do tratamento.

Segundo Schwartsmann, o medicamento explora princípios da nanotecnologia e de técnicas de administração de drogas em lipossomas.“Trata-se de uma atuação mais direcionada, o que permite que quantidades maiores do medicamento possam chegar ao tumor com menor exposição dos demais tecidos. Isto aumenta a eficácia e reduz o risco de efeitos tóxicos”, salienta.

Conforme dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer de pâncreas corresponde a 2% dos tumores malignos que atingem a população brasileira, sendo responsável por 4% das mortes por câncer no país. Entre as vítimas fatais internacionalmente conhecidas da doença está o fundador da Apple, Steve Jobs.

Atenção: O remédio deve começar a ser vendido nas próximas semanas nos Estados Unidos, mas no Brasil não há prazo para entrar nas prateleiras, já que a substância ainda não foi encaminhada à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

http://www.hcpa.edu.br/content/view/7564/927/